Flá @ 00:48

Seg, 09/11/09

 

E do nada é já noite às 6h da tarde. Do nada o vestido preto com a camisa deixa de fazer sentido ou, sequer, parecer bem sem o sobretudo.

Apresso-me…os sapatinhos de tamanho 33 tocam leve e rapidamente a calçada intermitente. É tardíssimo. Saltam pequeninos para o degrau do autocarro. Credo…os passos apressados e saltitantes fizeram com que a cafeína bebida tivesse outro efeito que não o de manter a mente mais desperta e atenta. Só quero vomitar. Preciso de aliviar o estômago que nervoso, palpitante e enjoado não me deixa concentrar nos olhos pesados ou nas conversas tontas, soltas e aleatórias que poderia ouvir.

A música pede por favor. Pede silêncio. Pede a ausência de surpresas. Pede que não haja mais alarmes. Mas os galhos das oliveiras e das nogueiras saltaram as sebes e esmurram o autocarro a cada curva. Não me é possível dar descanso à mente que me instiga a dormir. Não consigo…o caminho é demasiado irregular. Turbulento de mais para poder pensar no que quer que seja para além das oliveiras ou das nogueiras a esmurrarem o autocarro num som que primeiro é estrondoso e depois áspero e estridente. Mais as curvas, as lombas, as paragens, os buracos…há demasiada agitação. Não é possível o silêncio, a ausência de surpresas ou de alarmes como a música que se ouve ao fundo pede.

 

E do nada já passou um ano…




Flá @ 01:39

Seg, 09/11/09

 

Muito obrigada pelo elogio. Não são habituais por pessoas que lêem o meu blog pela primeira vez.

Acredite, fico realmente feliz por ter compreendido a metáfora, já percebi que não é tão acessível como julguei inicialmente. Este texto foge a todos os padrões de habitualidade de tudo o que já escrevi até hoje.

Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


favorito

Uncensored

Pesquisar